Tempos difíceis exigem planejamento.​
Artigo a ser publicado no Blog "Além do Dinheiro" do portal Infomoney.

29/11/2019

 

Parece que a economia no país está começando a se recuperar, mas ainda assim são tempos difíceis e os cuidados com a administração do dinheiro são necessários.

 

A taxa de desemprego começou a cair, os analistas tem divulgado expectativa de crescimento do PIB, a taxa de juros básica está baixa, a reforma da previdência foi aprovada, outras reformas estão em curso e um cenário de otimismo começa a se desenhar. Ao menos é o que mostram os números, ainda que não retratem a realidade de cada cidadão individualmente.

 

Tem muita gente desempregada e as reservas financeiras vêm sendo reduzidas. É momento de contenção de gastos e de planejar o orçamento doméstico, afinal de contas, a inflação está aí, contribuindo para o aumento das contas.

 

Um dos jargões da educação financeira é: “não importa o quanto você ganha, mas como você gasta”. Canso de ouvir que em tempos de bonança é fácil administrar o dinheiro, duro é manter a saúde financeira nos períodos de vacas magras.

 

Comumente encontramos sugestões de como investir as reservas, mas poucos se arriscam a sugerir o que fazer para sobrar algum dinheiro no final do mês em períodos de crise, para aí sim, investir. As dicas geralmente se resumem a redução de alguns gastos e corte de outros, como se fosse possível assumir esse compromisso facilmente.

 

O objetivo aqui não é resolver todos os problemas financeiros das pessoas que estão em apuros em apenas um texto curto, mas ajudar a refletir para que possam organizar seus gastos.

 

É necessário começar pela análise das contas históricas. O que pode parecer simples em um primeiro momento, começa a se mostrar complexo e necessário. Não basta saber para onde irá o dinheiro, é preciso compreender a sazonalidade das saídas de caixa, desta forma, recomenda-se anotar todas as despesas dos últimos 12 meses. Pela dificuldade, nesse primeiro passo, muita gente já desiste. Todo mundo sabe que o IPTU e o IPVA vencem no início de cada ano, mas muitos se esquecem de provisionar os pagamentos, daí a necessidade de computar as contas de um período completo.

 

Feita a análise, é preciso definir metas de gastos para aposentadoria, sobrevivência, educação, diversão e reservas para imprevistos. Observem que a aposentadoria propositadamente foi anunciada em primeiro lugar. Uma máxima da educação financeira é “pague-se primeiro”, então é recomendado gastar no máximo 90% dos ganhos, já que 10% devem ser destinados para a garantia da velhice.

 

A partir da definição das destinações dos recursos, deve ser pensada a manutenção, redução ou eliminação dos gastos. Nesse ponto, é recomendável separar as saídas que sofrem variação em relação ao consumo e aquelas que não podem sofrer variação imediata.

 

As primeiras mudanças comportamentais com os gastos devem ser em relação às saídas que variam em função do consumo. Criar metas para a redução de energia, água, gás e itens de supermercado podem ajudar na adequação dos gastos a uma nova realidade financeira. Um segundo passo é renegociar as saídas de caixa com itens que não variam em função do consumo. Em tempos difíceis, não é vergonha pedir descontos ou encerrar atividades corriqueiras temporariamente, como academia e assinatura de serviços não indispensáveis.

 

Uma vez realizado o planejamento, deve-se testar o modelo, controlar os recursos e voltar a planejar o orçamento considerando as novas necessidades. Muitos conseguem se organizar sozinhos, mas sempre que possível, recomenda-se a ajuda de um especialista.

 

Cuidar do dinheiro exige tempo e disciplina. Os resultados não são imediatos e demandam persistência e muita paciência.

PUC Campinas - Campus 1 | Rua Professor Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, 1516  -  Parque Rural Fazenda Santa Cândida | Campinas - SP | CEP: 13087-571

  • Instagram
  • LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Google+