Buscar
  • Eli Borochovicius

Ctrl+C e Ctrl+V para que?


Está cada vez mais comum encontrar alunos que entregam trabalhos universitários copiados de obras disponíveis para consulta na internet. ​ O duro é que também está cada vez mais comum encontrar professores universitários que não lêem os trabalhos por ele solicitados e lançam boas notas para esses trabalhos que podem ser considerados plágio. ​ Plagiar é a mesma coisa que apresentar um trabalho de outra pessoa, como se fosse seu. ​ Mas o que leva um aluno a plagiar um trabalho? ​ Em geral a resposta é a falta de tempo, ou seja, o aluno trabalha o dia todo, chega em casa à noite após as aulas e aproveita o final-de-semana para colocar o sono em dia ou se divertir, não restando tempo para a pesquisa e desenvolvimento do trabalho universitário. Resultado: busca na internet as palavras-chave, copia o texto, cola, insere o seu nome e entrega. ​ Outra visão desta falta de tempo é a preguiça. O aluno tem preguiça de desenvolver o trabalho e isso normalmente acontece quando sabe que o professor dará uma boa nota independentemente da qualidade do trabalho desenvolvido. É a lei do mínimo esforço dado que os benefícios superam as penalidades. ​ Seria um grande contra-senso exigir que os alunos criassem um trabalho sem a utilização de obras já publicadas como fonte, em contrapartida é um absurdo imaginar que o aluno não possui capacidade de discernimento para pesquisar sobre o assunto proposto, fazer seu próprio julgamento e emitir sua opinião a respeito. ​ Então a solução é aumentar a punição para evitar o plágio? ​ Possivelmente a gravidade da punição inibiria a prática do plágio, mas prefiro acreditar que é possível desenvolver a capacidade de aprendizagem do aluno pedindo que ele sintetize as informações de um determinado tema em pouquíssimas linhas ou faça um gráfico comparativo, material que em geral não é encontrado com facilidade nos meios eletrônicos. ​ Normalmente um professor pede a realização de trabalhos individuais quando visa frisar os conceitos teóricos de aula ou quando busca a inserção do aluno no assunto a ser tratado em aula. Já os trabalhos em grupo, visam uma discussão interpessoal onde as divergências de informações são importantes para o crescimento individual. ​ Diferentes experiências pessoais trazem respostas variadas para os questionamentos e devem ser tratados todos com o máximo respeito. ​ Para o seu próximo trabalho, busque informações, discuta o assunto, trate distintas opiniões, faça uma reflexão sobre o seu ponto de vista e o que conseguiu assimilar, aponte os principais itens da pesquisa e discorra sobre o que, no seu conceito, é o mais importante. Normalmente os professores não querem que o aluno prove ter desenvolvido um trabalho de pesquisa, mas valorizam a opinião do aluno quanto ao assunto tratado.


0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

O seu bolso está preparado para o Dia do Cliente?

Datas comemorativas servem para marcar momentos importantes, mas também são bem aproveitadas pelas empresas para a alavancagem das vendas. Parece que esta geração de brasileiros cursando o Ensino Fund

Erros no currículo são aceitáveis?

Presidente, ministros, governador, cientista e uma diversidade de profissionais têm em comum a apresentação de erros no currículo. A ex-presidente do Brasil havia informado que era mestra e doutora pe

5 erros comuns na administração do dinheiro

Administrar o dinheiro parece ser uma tarefa fácil - até o momento em que as pessoas precisam gerenciar o fluxo de caixa e percebem que as variações de receitas, preços, taxas, câmbio e inflação não e

PUC Campinas - Campus 1 | Rua Professor Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, 1516  -  Parque Rural Fazenda Santa Cândida | Campinas - SP | CEP: 13087-571

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube