Buscar
  • Eli Borochovicius

A dor do aprendizado


Aprender dói, sabia? ​ Não é fácil passar pelo período de aprendizado. Nós não nos lembramos do desafio de aprendermos a andar pois éramos muito pequenos, mas temos boas recordações dos hematomas, cicatrizes e enormes quantidades de curativos que já fizemos em função das quedas de bicicletas e árvores escaladas. ​ Para aprender é preciso ousar, tentar, errar, tentar mais uma vez, ser persistente e não desistir enquanto for possível. O impossível nós fazemos, já o milagre... bom, esse demora um pouco mais. Como gosto de usar provérbios, um que cai muito bem aqui é: “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”. Gosto de dizer que as pessoas mais bem sucedidas não são as mais brilhantes, mas as mais persistentes. ​ Por outro lado, devemos ter o cuidado de não ficar “dando murro em ponta de faca”. Quem é que nunca ouviu que persistir no erro é burrice? ​ Somos capazes de desafiar as nossas próprias expectativas, mas é tolice acreditar que persistir sem reflexão é uma causa natural da genialidade. ​ Para aprender, não podemos criar raízes e precisamos aproveitar as novas experiências vividas, mesmo quando inicialmente não a julgamos positivas, afinal de contas, aprender o que não fazer é também um bom aprendizado. ​ O segredo do sucesso? Não existe segredo e também não sabemos sobre o que é o sucesso, mas é importante que passemos pela dor do aprendizado para que possamos julgar e discernir sobre o certo e o errado e sobre o que é positivo ou dispensável. ​ São misturas de ansiedade e angústia, esperança e frustração, iniciativa e desmotivação, enfim, a verdade é que se trata de uma tempestade de sentimentos que pode deixar qualquer um sem dormir por algumas noites. ​ A busca pela perfeição nunca acaba, sabemos que temos condições de superar os nossos limites e de explorar o desconhecido, mas a pergunta é: até onde tudo isso vale a pena? ​ Nunca existirá uma resposta correta já que o ser-humano tem temperamentos diferentes e distintas formas de buscar o seu principal objetivo: a felicidade. ​ Tenho buscado incessantemente a minha e o desfecho disso é uma surpresa para vocês e por ora, para mim também, mas mesmo assim, posso garantir que valeu a pena ter caído quando tentei andar, me machucado ao escalar, estudado para as provas, me acabado nas madrugadas preparando aulas e acredito que valha a pena cada esforço, cada dor, cada suspiro, cada momento ímpar dessa vida que nos traz obstáculos e a alegria de superá-los.


3 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Finanças e Crianças: tudo a ver

Muitas crianças passaram a se interessar pelo universo financeiro - mas será que estamos caminhando com a educação da forma mais adequada? As crianças recordarão do ano de 2020 pelas mais variadas mud

PUC Campinas - Campus 1 | Rua Professor Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, 1516  -  Parque Rural Fazenda Santa Cândida | Campinas - SP | CEP: 13087-571

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube