Buscar
  • Eli Borochovicius

Pró-atividade


Tenho reparado que muitos jovens inserem no currículo palavras soltas como pró-atividade, como se a pró-atividade fosse um grande diferencial. ​ Pró-atividade nada mais é que a iniciativa em buscar soluções para os desafios que aparecem diariamente, uma obrigação de qualquer profissional. Uma palavra que saiu de moda, mas que sugere um comportamento melhor que a pró-atividade é comprometimento. ​ Se o profissional é comprometido com a empresa e com as suas obrigações, em geral não mede esforços para atingir suas metas e objetivos, criando caminhos que o permita ser mais competitivo e para tanto, mais pró-ativo. ​ Compromisso não significa doação da alma para a empresa, mas a busca incessante por bons resultados, promovendo os melhores esforços para que esses resultados venham a acontecer no menor prazo possível. ​ A qualidade do serviço depende diretamente do compromisso e para tanto, desempenhar com afinco as tarefas e aperfeiçoar os processos é uma obrigação de cada profissional e não um diferencial. ​ Novas ferramentas administrativas surgem com uma velocidade inacreditável e muitas delas trabalham com a idéia de que o capital mais importante de uma empresa é o capital humano. ​ Gosto muito da velha história do José que foi ao seu gerente, Paulo, solicitar o mesmo aumento concedido à Henrique, seu colega, que está à menos tempo na empresa. ​ Paulo informa a José que a empresa fará uma confraternização e precisa que ele compre no mercado abacaxis para a sobremesa. ​ José vai ao mercado e retorna com a informação de que acabaram os abacaxis. ​ Feito isso, Paulo chama por Henrique e faz o mesmo pedido. ​ Para a surpresa de José, Henrique chega com a notícia de que os abacaxis acabaram no mercado, mas como a confraternização ocorreria no período noturno, confirmou a possibilidade de buscá-los no supermercado com o veículo da empresa que chegaria dentro de 30 minutos, embora o preço fosse 12% mais alto. Caso a decisão fosse manter o bom relacionamento com o mercado, recomendava a compra de melancias, uma fruta com preço mais acessível, cujo mercado dispunha de quantidade suficiente para atender perfeitamente à quantidade de pessoas que estavam na lista de presença dos convidados confirmados. ​ A missão dada à José não era a compra de abacaxis, mas da sobremesa para o evento. A pró-atividade de Henrique demonstrou o seu compromisso em solucionar o problema da empresa e não apenas em cumprir aquilo que foi literalmente pedido. ​ Sejamos como o Henrique e não como o José para que histórias de sucesso sejam inseridas em nosso currículo e não apenas palavras soltas.


0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

O seu bolso está preparado para o Dia do Cliente?

Datas comemorativas servem para marcar momentos importantes, mas também são bem aproveitadas pelas empresas para a alavancagem das vendas. Parece que esta geração de brasileiros cursando o Ensino Fund

Erros no currículo são aceitáveis?

Presidente, ministros, governador, cientista e uma diversidade de profissionais têm em comum a apresentação de erros no currículo. A ex-presidente do Brasil havia informado que era mestra e doutora pe

5 erros comuns na administração do dinheiro

Administrar o dinheiro parece ser uma tarefa fácil - até o momento em que as pessoas precisam gerenciar o fluxo de caixa e percebem que as variações de receitas, preços, taxas, câmbio e inflação não e

PUC Campinas - Campus 1 | Rua Professor Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, 1516  -  Parque Rural Fazenda Santa Cândida | Campinas - SP | CEP: 13087-571

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube