Buscar
  • Eli Borochovicius

Quebrando paradigmas: PBL – Problem-Based Learning


Dado que o principal objetivo do aluno é adquirir conhecimento, cabe então ao professor passar este conhecimento, correto? Não é tão simples assim.

Estamos no ano de 2.010, na era da informação. Ela chega para nós em uma velocidade jamais dimensionada num passado não muito distante. Informação por informação, o aluno a consegue em um universo gigantesco, não precisando do professor.

Já que ela está extremamente acessível, cabe então ao professor direcionar o aluno na busca pelo conhecimento o ajudando a discernir sobre a avalanche de informações despejada na biblioteca pública mundial e a compreender a aplicação do assunto estudado de forma prática e voltada para o mercado, cada vez mais exigente e competitivo.

O PBL – Problem-Based Learning, que surgiu na década de 60 na escola de medicina da Universidade MacMaster, Canadá, insere o aluno como foco central da aprendizagem, tornando-o capaz de construir o aprendizado cognitivo através de problemas propostos que o expõe a situações motivadoras.

Assim, o aluno deixa de ser passivo no sistema de ensino e passa a ser objeto central do seu próprio desenvolvimento e o professor, antes provedor do conhecimento, faz desaparecerem as aulas expositivas, com transmissão unilateral do conhecimento para dar espaço à interação, com a construção do conhecimento fomentado por discussões e pesquisas, motivando a participação do aluno inserido em um grupo.

O resultado disso é um aluno curioso, motivado, desafiador, criativo e com espírito empreendedor, pronto para liderar e trabalhar em equipe.

As aulas passam a ser um laboratório de discussões sobre problemas reais e o professor passa a ser um agente mediador, muito além de um simples transmissor. O objetivo do professor vai além da teoria e permite ampla discussão sobre a aplicabilidade do tema em um universo bem diversificado.

O profissional que fora submetido ao PBL no seu período de aprendizado é capaz de tomar decisões de forma prática e harmoniosa, dado que vivenciou situações inusitadas em simulações com problemas propostos pelos professores na academia.

Ele analisa a possibilidade de solução do problema de forma globalizada, considerando a viabilidade econômico-financeira, de recursos humanos, materiais e logísticos.

Com isso, o professor passa a cumprir o seu principal papel promovendo a interdisciplinaridade, trabalhando em conjunto com outros professores e deixando de ser responsável por apenas uma única disciplina, de forma isolada e desconexa.

Quebrar paradigmas é trabalhoso e desconfortável, mas se o professor busca eficácia no processo educacional de seus alunos, deve experimentar constantemente a dor do aprendizado.


7 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O seu bolso está preparado para o Dia do Cliente?

Datas comemorativas servem para marcar momentos importantes, mas também são bem aproveitadas pelas empresas para a alavancagem das vendas. Parece que esta geração de brasileiros cursando o Ensino Fund

Erros no currículo são aceitáveis?

Presidente, ministros, governador, cientista e uma diversidade de profissionais têm em comum a apresentação de erros no currículo. A ex-presidente do Brasil havia informado que era mestra e doutora pe

5 erros comuns na administração do dinheiro

Administrar o dinheiro parece ser uma tarefa fácil - até o momento em que as pessoas precisam gerenciar o fluxo de caixa e percebem que as variações de receitas, preços, taxas, câmbio e inflação não e

PUC Campinas - Campus 1 | Rua Professor Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, 1516  -  Parque Rural Fazenda Santa Cândida | Campinas - SP | CEP: 13087-571

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube