• Professor Boro

Visão equivocada


Ao falarmos de Bolsa de Valores, a primeira imagem que vem à cabeça são letras e números digitais em um painel eletrônico, caminhando na horizontal, da direita para a esquerda, alguns em verde e outros em vermelho, que aos olhos dos amadores, não dizem muita coisa.

Há os que ainda trazem a figura estampada de homens amontoados com enormes telefones na orelha e as mangas de seus jalecos movimentando no ar, em um ritmo frenético ao som de vozes furiosas com ordens de compra ou venda. Trata-se do pregão viva-voz, que já não existe mais.

Os gráficos que sobem e descem buscando explicar ganhos e perdas bem como números soltos, que correspondem a diferentes índices, indicadores e pontos garantem a ideia de complexidade e confusão. É a fotografia perfeita de um ambiente caótico, conturbado e definitivamente próprio para administradores e economistas, mas este retrato traz personagens e um fundo de tela equivocado.

É possível que esta visão míope que temos, acompanhada de outros fatores como a cultura do consumismo, falta de educação financeira e imediatismo materialista, atrapalhe o desejo da BM&FBovespa em angariar investidores brasileiros, pessoa física, para potencializar o mercado acionário, de longo prazo.

Por uma questão hereditária evitamos investimentos em renda variável, mas as experiências do passado não apenas não servem em sua totalidade para o presente, como também podem vir arraigados de erros cometidos por desconhecimento do mercado. Um exemplo simplório é o investimento de pequena monta em mercado fracionário, com menor liquidez, com objetivos de curto prazo.

Para o pequeno investidor, é recomendável que junte dinheiro para comprar ações em lote padrão, ainda que compre ações de uma única empresa. É bobagem diversificar a carteira de ações, desde que os investimentos totais já estejam diversificados em renda fixa e renda variável. Se estiverem direcionados apenas 20% dos recursos financeiros disponíveis para investimentos em mercado de bolsa, qual o sentido de diversificar ainda mais, entrando em um mercado de menor liquidez? Somos bombardeados com a ideia de diversificação, mas muitas vezes tomamos decisões que fogem à questão lógica racional.

É importante que os recursos financeiros alocados em mercado acionário sejam parte de um objetivo de longo prazo, desta forma, não faz sentido acompanhar o sobe e desce diário dos preços. As interpretações das informações financeiras são realizadas pelos especialistas das corretoras de valores, desta forma, cabe ao investidor analisar o material disponibilizado e tomar suas decisões. Cursos de análise grafista e fundamentalista poderão auxiliar na tomada de decisão, mas por analogia, é como buscar um curso de mecânico para aprovar um orçamento de manutenção do seu carro. É natural confiarmos na decisão do nosso mecânico de confiança, não é mesmo?

Supondo que tenha comprado um papel a R$30,00. Como o lote padrão é de 100 ações, o investidor teria R$3.000,00 em ações. Considerando que em uma semana o mercado caia 10%, qual foi a perda? Nenhuma! Não se perde dinheiro se a ação não for vendida. É importante mensurar o ganho ou a perda em longo prazo, acompanhando a estratégia traçada inicialmente.

Além disso, é importante que aquela imagem de números, gritaria e gráficos seja substituída por pessoas trabalhando nas empresas, em busca de resultados positivos, que serão entregues aos acionistas em forma de dividendos. O investidor não deve ser refém da volatilidade dos preços em curto prazo, mas beneficiado pelos bons resultados apresentados anualmente pelas empresas.


Posts recentes

Ver tudo

Pagamento invisível

Boa experiência de compra pode ser um aliado da inadimplência na falta de Educação Financeira. Pagamento Invisível foi o nome atribuído aos sistemas de pagamento em que o consumidor não precisa utiliz