• Professor Boro

Educação Financeira também se dá nas escolas


Barão Geraldo é um subdistrito da cidade de Campinas que abriga hospitais, indústrias, empresas comerciais e prestadoras de serviços além de reconhecidas universidades como a Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) e Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) bem como escolas qualificadas como o Centro Educacional Objetivo e o Colégio Rio Branco, dentre outros.

O decreto 7.397, de 22 de dezembro de 2010 instituiu a Estratégia Nacional de Educação Financeira, sinalizando a importância de tratar do assunto na idade escolar, mas passados dois anos de sua publicação, as escolas ainda não adotaram a disciplina de finanças, na grade curricular ou fora dela.

Às escolas são impostos os desafios das descobertas de novas tecnologias de ensino visando preparar o indivíduo para a vida. A educação financeira na infância permite que as crianças sejam adultos financeiramente responsáveis e pode auxiliá-las na construção de seus objetivos pessoais, de curto, médio e de longo prazo.

Diferentemente do que se pode pensar, o objetivo da educação financeira não é tornar crianças mercenárias ou gananciosas, mas, de acordo com a empresa The Money Camp (www.themoneycamp.com.br), “formar cidadãos conscientes, capazes de compreender e transformar a realidade, atuando na superação das desigualdades e do respeito ao ser humano”.

Os cursos de Educação Financeira trabalham com conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais e possibilitam também significativa melhoria na qualidade de aprendizagem geral do aluno, dado que, além dos temas ligados às finanças, é trabalhado o planejamento, autocontrole, organização e responsabilidade.

Os pais, que não puderam receber educação financeira e viveram a infância em um período de altas taxas inflacionárias e poucas opções de produtos financeiros, infelizmente não reconhecem a importância do tema e não cobram a direção das escolas quanto a este assunto, cada vez mais importante em uma sociedade globalizada.

Escolinha de futebol, luta, dança, música, línguas e informática já sofreram resistências e agora é a vez da educação financeira. Assuntos como inflação, impostos, taxas de juros, cartão de crédito e bolsa de valores já são temas que fazem parte da rotina das crianças e precisam ser discutidos na escola e em casa.

Aprender a planejar, analisar e controlar as finanças é importante para que a criança possa crescer com a consciência de que o dinheiro faz parte da vida dela e precisa ser bem administrado para evitar dissabores ao longo da vida e em especial, na aposentadoria.

Quanto maior o tempo de maturação do investimento, maiores são os montantes dado que os juros são exponenciais, assim, é recomendável que as crianças aprendam a poupar desde cedo, se aculturando com a necessidade do planejamento para a independência financeira.

O cenário econômico brasileiro vem sofrendo mudanças. Com a taxa básica de juros em queda e os atuais níveis dos índices de inflação, a poupança já não é um investimento recomendável, assim, conhecer os produtos disponíveis no mercado passa a ser uma necessidade e não mais uma alternativa.

Segundo Silvia Alambert, diretora executiva da empresa de educação financeira para escolas The Money Camp, “educar financeiramente é muito mais do que ensinar sobre dinheiro”.


Posts recentes

Ver tudo

Pagamento invisível

Boa experiência de compra pode ser um aliado da inadimplência na falta de Educação Financeira. Pagamento Invisível foi o nome atribuído aos sistemas de pagamento em que o consumidor não precisa utiliz