Buscar
  • Eli Borochovicius

Falar é fácil, quero ver fazer


Em momento de crise, perda do emprego, aumento dos custos e falta de dinheiro, as pessoas saem em busca de dicas para o ajuste das contas.

Certo dia eu estava em sala de aula e um aluno questionou se eu poderia ir até a empresa da família para ajudar a entender as contas e como poderia ajudar na solução da falta de caixa.

Isso me fez lembrar aquelas pessoas que pedem para o médico dar só uma “olhadinha” sem cobrar a consulta, ou aqueles advogados que são apenas consultados para uma “opinião” sem o pagamento de honorários.

Parece-me endêmica no brasileiro essa busca pelo serviço prestado sem a contraparte financeira, desprestigiando o conhecimento teórico.

No caso do médico, é uma “olhadinha” gratuita. Se for preciso um procedimento, aí se discute valores, negocia-se e por que não aquele pedido de descontinho? Não ficaria assustado se decidisse fazer o procedimento com outro mais baratinho. Já com o advogado, os custos com cópia e taxas processuais as pessoas aceitam reembolsar, mas tem que prestar contas. Vai que o advogado queira levar vantagem e copiar algo desnecessário para o processo, não é mesmo? Como se o profissional do direito precisasse disso.

Na área financeira, os serviços normalmente são pouco valorizados. Um colega uma vez me disse que ao preparar um contrato de consultoria financeira, seriam necessárias 100 páginas, 99 delas dizendo o que não faria. Não tem jeito, as pessoas abusam mesmo.

No caso de empresas, buscam o consultor financeiro quando a corda está estourada, exigem reparos, não aceitam remendos, querem consertar em 2 meses o que levaram anos para estragar, não fazem aquilo que o consultor sugere e ficam aliviados quando tudo acaba, ainda que mal, pois se isso acontecer, tem em quem jogar a culpa pelo fracasso.

Com pessoa física não é muito diferente.

A consultoria exige tempo para análise das contas de curto prazo, diagnóstico de como a pessoa decide como gastar, financiar e investir, criação de novos procedimentos, planejamento envolvendo a família e renegociação com credores e bancos. É preciso fazer o controle, checar os resultados e desenvolver novas estratégias para corrigir possíveis desvios.

Particularmente, não acredito em resultados sólidos com pequenas dicas adquiridas em artigos não científicos disponíveis na internet. Elas podem apontar o caminho, mas exigem conhecimento técnico e experiência para a elaboração de um planejamento financeiro.

Nesses tempos de crise, para quem não teve educação financeira, as dicas da internet dificilmente surtirão efeito. O melhor a fazer é buscar ajuda de um especialista e valorizar o trabalho profissional.


17 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Finanças e Crianças: tudo a ver

Muitas crianças passaram a se interessar pelo universo financeiro - mas será que estamos caminhando com a educação da forma mais adequada? As crianças recordarão do ano de 2020 pelas mais variadas mud

PUC Campinas - Campus 1 | Rua Professor Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, 1516  -  Parque Rural Fazenda Santa Cândida | Campinas - SP | CEP: 13087-571

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube