Buscar
  • Eli Borochovicius

Finanças e Crianças: tudo a ver

Muitas crianças passaram a se interessar pelo universo financeiro - mas será que estamos caminhando com a educação da forma mais adequada?


As crianças recordarão do ano de 2020 pelas mais variadas mudanças que obrigatoriamente experimentaram. Em função da quarentena provocada pela pandemia do COVID-19, precisaram se adaptar às aulas virtuais.


Com essa nova realidade imposta, foi inevitável mantê-las conectadas à rede mundial de computadores. Assim, a exposição às telas, que já era considerada um problema para os pais, foi ampliada.


Se, por um lado, a internet facilitou a socialização da informação, por outro lado, abriu espaço para a disseminação de opiniões não fundamentadas, teorias não testadas e proliferação de notícias não verdadeiras, que acabam por influenciar as decisões de muitos desavisados.


Além disso, o neurocientista francês Michel Desmurget, que pesquisa o impacto dos dispositivos digitais no desenvolvimento neural de crianças e jovens, concluiu que a superestimulação da atenção causa subestimulação intelectual. Muitas horas de diversão no celular, no tablet, no computador, na televisão e no videogame, causam redução na capacidade de aprender.


Pais têm incentivado os seus filhos a gravarem e publicarem vídeos, gerando uma necessidade de exposição que deve ser questionada, assim como deve ser ponderado o expertise da criança com os conteúdos conceituais que propagam.


O mundo financeiro não passou despercebido e já é possível encontrar crianças que comentam sobre receitas, despesas, crédito, juros e investimentos. Em um dos vídeos, um menino investidor demonstra se orgulhar de ter ganhado dinheiro empreendendo com a venda dos salgados mais consumidos pelos colegas da escola, a preços mais baixos que os ofertados pela cantina.


Aqui vão duas considerações que julgo importantes: 1. Escola é ambiente de ensino e de aprendizagem, não de livre comércio; 2. Empreender é diferente de fazer concorrência desleal com uma empresa que paga aluguel, impostos, salários, é submetida a rigorosas regras sanitárias e que assume responsabilidades.


Para aqueles que ainda pensam de forma arcaica, entendendo que o dinheiro está acima de qualquer coisa, vai um aviso: a sociedade evoluiu e as organizações estão focadas em entregar mais valor ao cliente, manter um relacionamento ético com os fornecedores, investir nos colaboradores, apoiar a sociedade e arcar com os aspectos legais. Então, fora de cogitação imaginar que a pseudoesperteza está consonante com a sociedade moderna.


Uma forma positiva de remunerar os filhos, já que não devem comercializar produtos na escola, é oferecendo compensação financeira em caso de redução nas contas de água e energia da casa, os incentivando a tratarem os recursos naturais com responsabilidade. Apagar a luz do quarto ao deixar o ambiente, banhos mais rápidos e redução no tempo de uso do videogame são alguns exemplos do cotidiano que podem funcionar.


Falar de finanças é importante, mas é preciso tratar do assunto com seriedade. A Base Nacional Comum Curricular entende que se faz necessário incorporar ao currículo temas contemporâneos que afetam a vida humana e então, o letramento financeiro deve chegar às salas de aula nos próximos anos, permitindo que as crianças aprendam sobre o assunto com profissionais experientes.


Os vídeos publicados na internet são uma excelente opção para complementar o conhecimento adquirido na escola, mas ainda não podem ser usados para substituir o ensino formal.


2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O seu bolso está preparado para o Dia do Cliente?

Datas comemorativas servem para marcar momentos importantes, mas também são bem aproveitadas pelas empresas para a alavancagem das vendas. Parece que esta geração de brasileiros cursando o Ensino Fund

PUC Campinas - Campus 1 | Rua Professor Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, 1516  -  Parque Rural Fazenda Santa Cândida | Campinas - SP | CEP: 13087-571

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube